Indicamos:Efuturo.com.br - Efuturo é uma Rede Social de Conhecimento, Ensino, Aprendizado Colaborativo, Jogos Educativos e Espaço Literário.
Lotogipo - www.soplaar.com - Rede social de conhecimento e cultura
Seja bem-vindo Administrativo - Soplaar Quero me cadastrar   -    Esqueci senha
Email
 
 









Página Literária - Espaço do Leitor


Textos & Poesias
Imprimir

Total Votos: 1
Busca Geral:
Título
Texto Título e Texto
Autor:
FRANCISCO CARLOS PARDINI (KikoPardini)
Código texto: 111 - Estudando à liberdade Judaísmo:

“Do Livro”

O Mundo Muçulmano.

Peter Demante.

A primeira revolução Monoteísta.


O cristianismo é o segundo elo da revolução monoteísta e influenciaria o islã não menos que judaísmo.

O ano 33d.C. é data tradicional da crucificação de Jesus (Issa) de Nazaré, reformador radical judeu,

pelo exército de ocupação romana e com a conivência da elite religiosa em Jerusalém. Para seus seguidores,

Jesus foi considerado o Messias, o ungido (cristo, em grego), e posteriormente, na teologia de Paulo de Tarso,

uma das três expressões da própria divindade. Era uma visão que conduziu fatalmente à ruptura com o judaísmo

oficial. Mas, graças ao zelo dos apóstolos, que aproveitaram a existência da diáspora judaica e de uma eficiente

rede de comunicação no Império Romano inteiro, a mensagem cristã se difundiu rapidamente

. Estudando à liberdade

Judaísmo:

A primeira revolução Monoteísta.

“Do Livro”

O Mundo Muçulmano. Estudando à liberdade
Judaísmo:

A primeira revolução Monoteísta.

“Do Livro”

O Mundo Muçulmano


Peter Demante.

O mundo antigo, politeísta, era povoado por uma multidão de deuses e deusas, alguns representando

forças naturais, outros se manifestando na forma de animais ou de seres bastante semelhantes aos

homens. Além da finitude da vida, a principal diferença entre mortais e imortais consistia no poder

maior destes últimos. Os deuses não eram seres melhores do que os homens, eram simplesmente mais

fortes. Eles não forneciam aos mortais um sentido à vida ou mesmo um bom exemplo seu comportamento

que, como os mitos narravam, revela-se muitas vezes egoísta e bizarro.

A relação com esse panteão politeísta era, portanto, utilitarista os homens tentavam agradar até

manipular os deuses, por meio de sacrifícios e de magia.

Judaísmo:




O mundo antigo, politeísta, era povoado por uma multidão de deuses e deusas, alguns representando

forças naturais, outros se manifestando na forma de animais ou de seres bastante semelhantes aos

homens. Além da finitude da vida, a principal diferença entre mortais e imortais consistia no poder

maior destes últimos. Os deuses não eram seres melhores do que os homens, eram simplesmente mais

fortes. Eles não forneciam aos mortais um sentido à vida ou mesmo um bom exemplo seu comportamento

que, como os mitos narravam, revela-se muitas vezes egoísta e bizarro.

A relação com esse panteão politeísta era, portanto, utilitarista os homens tentavam agradar até

manipular os deuses, por meio de sacrifícios e de magia.

Judaísmo:

Publicado no site: www.soplaar.com em 21/11/2015
Código do Texto: 111

Total de visualização: 709


Comente esse texto:


Digite o código de validação!

Texto
Data
Total Visualização
Total Votos
- Romaria
22/11/2015
958
1
Amor.
15/11/2015
464
2
Anarquismo
21/11/2015
914
1
Código texto: 60 - Deus
13/11/2015
550
4
Código texto: 60 - Deus
13/11/2015
517
5
Código texto: 60 - Deus Código texto: 63 - Código texto: 60 - Deus
13/11/2015
585
3
De 65 a 73
23/11/2015
965
1
Deus
12/11/2015
502
10
Deus - "continuação"
14/11/2015
506
3
Então
15/11/2015
494
2
Estudando à liberdade Judaísmo:
21/11/2015
709
1
Eu, solitário cosmo
15/11/2015
471
3
Fé filosófica
25/11/2015
880
1
Feliz Idade
15/11/2015
514
3
Lamento
16/11/2015
502
3
Minha Flecha do Tempo
25/11/2015
889
1
Nação Dividida
23/11/2015
941
1
O chente, Uai, Tchê.
15/11/2015
530
3
O conceito de soberania alimentar e a questão filosófica
21/11/2015
946
1
O som
17/11/2015
621
2
Quando
15/11/2015
586
3
Reverência por reverência.
19/11/2015
600
2
São as horas.
20/11/2015
652
1
Só Você.
22/11/2015
910
1